Downloads

Press Release

Folha de Sala

MARIA DA FONTE é o segundo título recuperado pelo Laboratório de Ópera Portuguesa, criado em 2022 e sediado no CCB.

Com Direção musical edição de partitura do Maestro João Paulo Santos e Libreto moderno e encenação de Ricardo Neves-Neves, a Opereta MARIA DA FONTE apresenta a heroína popular como uma mulher intensa, corajosa e com consciência social.

Interpretada por oito solistas, Cátia Moreso, Luís Rodrigues, Marco Alves dos Santos, Inês Simões, Eduarda Melo, Ricardo Panela, João Merino, Tiago Matos e doze actores, António Ignês, Juliana Campos, Rita Carolina Silva, Afonso Abreu, Afonso Lourenço, Gonçalo Fonseca, Guilherme Arabolaza, Miguel Cruz, Ricardo Morgado, Ruben Teixeira, Rui Miguel, Tiago Estremores, com a Orquestra ARTAVE e Coro do Teatro Nacional de São Carlos.

Trata-se de uma Opereta de natureza cómica e satírica, foi escrita por Augusto Machado, a partir de um libreto original da autoria de Batalha Reis, Gervásio Lobato e João Francisco de Eça Leal, tendo sido estreada no Teatro da Trindade em 1879.

Sabe-se que o libreto original foi escrito por Batalha Reis, Gervásio Lobato e João Francisco de Eça Leal, no entanto, nada se sabe do seu paradeiro. O encenador Ricardo Neves Neves, foi convidado a elaborar um libreto a partir das partes que constam da versão musical. As maranhas originais não se perderam na recuperação da opereta de Machado. Falamos da intriga que envolve a própria personagem Maria da Fonte, o seu amante Ludovino (um agricultor rico) e a sua irmã, Joana, assente em fortes suspeitas de traição; e de uma conspiração entre o administrador local, Vilar, e o abade Cortições, que se subentende ser pai da Maria da Fonte e da Joana, para enviar os rapazes para o exército e combaterem o povo.

A anteceder a esta estreia realiza-se uma semana que inclui um conjunto heterogéneo de iniciativas complementares ao projecto.  A Semana Maria da Fonte promete ser uma experiência cultural inesquecível e uma oportunidade para refletir sobre temas tão atuais como os respeitantes às questões de género e da igualdade, entre outros. Apresenta um ciclo de conferências votado ao papel multifuncional da mulher portuguesa no decurso da história.

A Semana Maria da Fonte é uma celebração da cultura e história de Portugal, enaltecendo a força e a determinação das mulheres.

Sobre o Laboratório de Ópera Portuguesa
Declarado com relevante interesse cultural pelo Ministério da Cultura, o Laboratório de Ópera Portuguesa é um projeto que visa a recuperação do património operático de Portugal, contribuindo ativamente para a sua riqueza cultural e histórica. O projeto visa também promover a coesão territorial e a igualdade de género através da arte e da música.

Ficha Artística e Técnica

Direção do Laboratório de Ópera Portuguesa Jenny Silvestre
Direção de estudos musicológicos Luísa Cymbron (CESEM / NOVA-FCSH)
Direcção musical e edição da partitura moderna Maestro João Paulo Santos
Encenação e libreto moderno Ricardo Neves-Neves
Libreto (partes cantadas) Gervásio Lobato, Jaime Batalha Reis, Eça Leal

Solistas 
Maria da Fonte Cátia Moreso 
Abade Cortições Luís Rodrigues 
Ludovino Marco Alves dos Santos
Joana Eduarda Melo 
Perpétua Inês Simões 
Onofre André Henriques
Vilar Tiago Matos 
Aniceto João Merino

ORQUESTRA ARTAVE
CORO DO TEATRO NACIONAL DE SÃO CARLOS

Atores
Chefe do Exército Real António Ignês 
Domingas Juliana Campos
Lemúria Rita Carolina Silva
Ninfas do Minho / Exército Real
Afonso Abreu
Afonso Lourenço
Guilherme Arabolaza
Miguel Cruz
Ricardo Morgado
Ruben Teixeira
Rui Miguel
Tiago Estremores 

Assistente de direção musical Joaquim Ribeiro
Correpetidores Joana David, Nuno Margarido Lopes
Direção de cena Eliana Lima
Assistente de Direcção de Cena Carolina Gonçalves

Figurinos Rafaela Mapril
Assistência de figurinos Inês Oliveira e Margarida da Silva
Confecção Ana Baltar, Ana Santos, Inês Oliveira, OPART-TNSC Ana Paula Simaria, Célia Lîbanio, Diogo Santos, Márcia Val Miyamoto
Guarda-roupa OPART-TNSC Anabela Vicente, Patrícia Abreu
Adereços Lea Managil, Rui Gueifão, OPART-TNSC Nuno Barracas
Cenário Ricardo Neves-Neves com consultoria técnica de Cristina Piedade e ilustrações de José Cruz
Design Gráfico e ilustração de adereços
José Cruz

Desenho de luz Vasco Ferreira
Desenho de som Frederico Pereira 
Sonoplastia Sérgio Delgado 
Movimento e coreografia Joana Mestre
Coreografia de combates Tiago da Cruz
Maquilhagem e caracterização Marco Santos
Assistentes de maquilhagem e caracterização Catarina Félix, Carolina Gonçalves, Bruno Saavedra, Dennis Correia 
Fotografia cartaz e spot Pedro Macedo / Framed Films 
Assistentes de encenação António Ignês, Juliana Campos e Rita Carolina Silva 
Produção TdE Eliana Lima
Produção OPART-TNSC Mafalda Gouveia, Luís Marreiros, Marta Silva
Difusão José Leite 
Produção CCB Patrícia Silva 
Comunicação e Assessoria de Imprensa TdE Mafalda Simões
Comunicação e Assessoria de Imprensa APARM Ana Abrantes, Marina Sobral, Filipe Pinho
Comunicação OPART TNSC Raquel Maló, André Quendera, Margarida Macedo de Sousa, Maria Salgado
Coordenação de comunicação CCB Sofia Mântua
Assessoria de imprensa CCB Sofia Cardim
Produção editorial e revisão CCB João Moço
Coordenação do Coro João Carlos Andrade, Isabel Pina
Projeto educativo Jenny Silvestre, Sara Castro, Ana Proença e Helena Carvalho Pereira 
Coprodução APARM – Academia Portuguesa de Artes Musicais, Centro Cultural de Belém, OPART/Teatro Nacional de São Carlos, Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, Égide - Associação Portuguesa das Artes, Teatro do Eléctrico
Mecenas do Laboratório de Ópera Portuguesa Ouro Pereira LDA, Cândido Vieira LDA, Casa do Monte da Veiga, Azalenkantada, Esfani - Confecções, Lda, Materiais de construção, Óptica 1 de Álvaro Oliveira LDA, Foco Criativo Unipessoal, Hotel Rural Maria da Fonte, Superpóvoa Supermercados SA, Baptista e Soares SA, DAEL Indústria Metalúrgica LDA, TRANSNOS, Jorge Pinheiro Automovéis e Ramiro & Carvalho, Lda, Academia de Música, José Atalaya - Fafe, Banda de Golães - Fafe
Parceiros Estratégicos Égide, Associação Portuguesa das Artes, Fafe Munícipio e Póvoa de Lanhoso Município

Agradecimentos Fernando Gomes, Paulo Freitas, Quinta Pedagógica dos Olivais, Adega Belém Urban Winery

O Teatro do Eléctrico é uma estrutura apoiada pela República Portuguesa – Cultura / Direção-Geral das Artes, pelo Cineteatro Louletano/Câmara Municipal de Loulé e pela Câmara Municipal de Lisboa.

M12/90 MIN

Apresentações

Em 2024:
Porto, Coliseu Porto Ageas, 13 NOV, integrado no FIATO- Festival Internacional de Arte e Ópera do Porto

Apresentado em:
Lisboa, Centro Cultural de Belém (2023)
Fafe, Multiusos de Fafe (2024)
Póvoa de Lanhoso, Theatro Club (2024)

Próximos espectáculos